31 de dez de 2009

MINI-MINI (MAS COM UM POTENCIAL....)


Na visita ao zoológico, o JP, comilão, colocou reparo no tamanho do marmitex que estavam vendendo lá. Era pouco maior que um prato de sobremesa e socadinho de arroz, tutu à mineira, couve, carne de porco e torresmo (a mistura disso é uma ameaça à camada de ozônio). A foto é do JP.

ELEIÇÕES 2010

Recebi esta mensagem no rodapé de uma piada antiiiigaaaa... Abominei a piada, mas a campanha, ó!!!
"Não reeleja ninguém. O único jeito democrático de moralizar e dar dignidade à política brasileira".

REPAGINANDO A HISTÓRIA

Visitamos o Museu da Dona Beja, em Araxá. A Mar adorou a visita, especialmente o casarão, super ventilado. Quando a acompanhei na leitura do resumo a vida da Dona Beja (1800-1873), só falei: "Nada a ver".
Lá se diz que a Dona Beja (nascida Ana Jacinta de São José) foi uma personalidade na sua época, mesmo sendo mãe solteira. Que influenciou atos políticos, etc.
Agora à noite lembrando disso, li para a Mar o perfil da D. Beja na Wikipédia, que já foi mostrado em novela da Manchete. Era dona de bordel e influenciava os políticos de forma mais, digamos, eficiente.


E por falar no museu...As únicas coisas originais que haviam no museu eram o prédio e alguns documentos pessoais. O restante eram peças recolhidas em campanhas. (Quase) Nada era da Dona Beja, tudo da época em que ela viveu. (Fotos JCarlos)

PREÇO PARA TURISTA

Fomos a Araxá. A Mar gostou da cidade, mas detestou os preços. Para um pote de vidro com o doce chamado "Ameixas de queijo", pediram 17 reais.
Depois de quase um desmaio, ela me explicou. Alí, na entrada da estrada da Vila do Teotônio, o mesmíssimo doce custa dez reaus.

HÁ LUGARES EM QUE AS COISAS FUNCIONAM


Estávamos confusos com a profusão de placas de sinalização na rodovia que nos levaria de Divinópolis a Nova Serrana. O nosso mapa 4 Rodas pouco ajudava, quando vimos um prédio azul com o seguinte indicativo: "Atendimento ao usuário". Girei na rotatória e estacionei. Desci pensando: perda de tempo.
Ledo engano. A dona Simone, de plantão naquela hora, não só explicou como devíamos chegar ao nosso destino pretendido, como ofereceu água gelada, café, biscoitos, o uso dos sanitários (limpíssimos) e ainda convidou a Mar e o "garotinho" a usufruirem dos serviços oferecidos pela concessionária para conservação de 371,75 quilômetros de rodovias estaduais. E Nova Serrana nem faz parte da responsabilidade da concessionária Nascentes das Gerais. Taí o exemplo. (Foto Mar)

30 de dez de 2009

ESSA É UMA LADEIRA


A foto não dá idéia do que é essa ladeira, no bairro Gutierrez, onde o Lúcio Barros mora (esqueci o nome da rua). Apesar de ter acionado o freio de mão e engrenado, tive que virar os pneus para a calçada. A inclinação é de quase 90°. Deu medo, velho. (Foto JCarlos)

REENCONTROS


Tivemos o prazer de passar poucas mas agradáveis horas com o amigo Lúcio Barros, que há 11 anos trocou Porto Velho por Beagá. A Mar ouviu muitos 'causos' do passado. Tudo verdade, apesar de não parecer. (FotosMar)

29 de dez de 2009

ELA

Na janela do "Velho Chico", em Lagoa Santa. Ai, ai...(Foto JCarlos)

DO PASSADO

Passamos no "Portão das Armas" do Parque Aeronáutico de Lagoa Santa, a 30 quilômetros de Beagá. Dei 'baixa' em 1980 e nunca mais voltei lá. Também não conhecia a cidade. O 'papa-filas' nos deixava dentro do quartel. Abaixo alguns cenários. (Fotos JCarlos)



Um "Tê Meia", herói da Segunda Guerra Mundial

A lagoa, propriamente dita.
Igreja de N. S. da Saúde, em Lagoa Santa. Uma mistura da Igreja de São Francisco (na Pampulha) e um disco voador.

QUEM TEM MAIS?

Preguiça gigante encontrada na região de Lagoa Santa. Decida qual das duas "preguiças" é a verdadeira. O Dr.Lund, a Mar e eu sabemos. (Foto JCarlos)

SEM ASUZINA

Já tivemos cinco mini-apagões no hotel e mais um no Carrefour. Na rua, um protesto. (Foto Mar)

LADO B

Por trás do casario colonial, a Ouro Preto de verdade, onde moram aqueles que atendem os turistas e fazem a cidade funcionar. (Foto JCarlos)

EM BOA COMPANHIA

Na Biblioteca Pública de Belo Horizonte, a Mar econtrou, nada menos que, Hélio Pelegrino, Paulo Mendes Campos, Oto Lara Rezende e Fernando Sabino (da dir. para a esq.) (Foto JCaros)

VÂNDALOS

O JP ficou impressionado: Belo Horizonte e Contagem estão com os prédios pichados. Esse é só um exemplo. (Foto Mar)

28 de dez de 2009

COMIDINHAS

Diferente de muita gente, fiz o regime contrário para esses bons dias de férias, segurei o garfo. Agora os talheres estão livres para as delícias e gostosuras mineiras. No Jeca Tatu, a caminho de Ouro Preto, conheci o pastel de angu com queijo. Nu!*

*Nossinhora!   (Foto Marcela Ximenes)

PASSEANDO NA HISTÓRIA 2

Sobe, desce, toma folêgo sem cessar a admiração com tanta beleza. Ouro Preto, salve!


"Todos os sonhos barrocos deslizando pela pedra" - Cecília Meireles


Conferindo a história de Igreja de São Francisco de Assis, no Largo do Coimbra.













A construção da Igreja de São Francisco de Assis começou em 1766 e foi concluída por volta de 1890, uma das maravilhas de Aleijadinho.















Becos e ladeiras, aqui eles se encontram.


O serpenteio de casas, igrejas, casarios.













Da janela da casa de Tomás Antônio Gonzaga o Pico de Itacolomi, em primeiro plano nossa colcha de retalhos. (Foto JCarlos)

Risca-risca na pedra sabão na Feira de Artesanato do Largo do Coimbra.
(Fotos Marcela Ximenes)

TAN-TANS DE MINAS

O álbum de família da dona Nilta Sá finalmente está completo. Pela primeira vez ela conseguiu reunir todos os filhos e quase todos os netos - faltaram apenas dois. Eis aí a família tan-tan das Minas.


Lúcia, Cida, Rosa, Zécarlos e Paulo. Quem diz que essa sorridente senhora está com 79 anos?


Dona Nilta e a netaiada: Taís, Túlio, Heitor, Bruno, Emanuel, Augusto, Patrícia, Luísa e o recém-chegado JP. O Ulisses está escondido em algum lugar. O menino é mais anti-social que o tio Zécarlos.












E nós também. Bruno, dona Nilta, JP, Zécarlos e eu.

NAVEGADOR

Em Ouro Preto nosso (des)orientador era o JP. O dificil era ele sintonizar onde estávamos com o mapa. Mas não nos perdemos... (Foto JCarlos)

TREM BÃO, SÔ

Domingo de chuva, mesmo assim fomos andar. Primeira parada a Feira de Artesanato (antiga Feira Hippie). Assim, mais ou menos. Depois passamos pela Praça da Liberdade, Savassi e Praça da Estação.
Algumas fotos feitas com o telefone. (Fotos JCarlos)
Feira, na Avenida Afonso Pena, ao lado do Parque Municipal.

Esse é um monumento a heróis que marcaram a História de Minas Gerais. Estão lá retratados Felipe dos Santos, Fernâo Dias, Tiradentes e mais um que não me lembro. Essa estátua, de um homem nu, com uma bandeira ganhou uns versinhos: "Triste sina/sina de cão./ De bunda virada prá praça/ e o pinto prá estação!"

27 de dez de 2009

PASSEANDO NA HISTÓRIA

Fizemos uma incursão a Ouro Preto. A Mar ficou emocionada com os intrumentos que eram usados no tempo da escravidão. Ela também fez questão para que visitássemos a casa em que viveu o poeta Tomás Antônio Gonzaga, o "Dirceu" da Marília. Depois, um tutuzinho mineiro fechou a visita. No caminho, sem querer fazer inveja a ninguém, tomamos sorvete de tamarindo. jabuticaba e graviola. A Mar vai voltar ao assunto quando o computador fizer as pazes com o chupa-cabra e pudermos postar as fotos. Estas abaixo foram feitas com o telefone celular.

Os automóveis tomaram o lugar das liteiras.
Chafariz, porém, sem água.


Caminho sob a "Ponte dos Contos", citada pelo poeta Tomás Antônio Gonzaga no poema para a Marília.
Ainda na ponte.



Minha musa inspiradora. (Fotos JCarlos)

25 de dez de 2009

FALANDO NISSO

Depois que saimos de Pontes de Lacerda (MT), as plantações de soja deram um tempo e pudemos apreciar paisagens com a vegetação típica do cerrado. Eu tentava quebrar a monotonia da viagem (apesar da trilha sonora de primeira, a cargo da DJ Mar), exlicando as características da vegetação e etc. e tal.
Em determinado lugar o JP disse:
- Parece com a África.
Eu sabia que ele estava lembrando de uma cena do filma "Madagascar - 2", que já assistimos 'trocentas' vezes. Entrei no clima.
- Se eu parar para você fazer xixi e você se afastar da estrada, vai encontrar um monte de Joãopedrinhos. Aí você fala: "Ixi" e eles repentem: "Ixi, ixi, ixi...." Você fala: "Nooossa", e eles: "Nooossa, nooossa, nooossa"...

Ó O CARA, AÊ

Esse é o cara. Ele tem o instinto de fotógrafo, capta o todo e o particular. Se ele se interessar mesmo pela coisa, tem futuro. (Foto Mar)

24 de dez de 2009

SENTIMENTO NECESSÁRIO


Entre os tantos cartões que recebi de agências de notícias e de empresas, o da Arca Brasil tinha a melhor imagem para o momento em que se ouve muito: Feliz Natal. (Fico pensando se as pessoas sabem o que significa essa frase, mas isso é outra história.) Os garotos salvando o cão é o retrato do que se espera dos seres: solidariedade para com todos.

A LEBRE E A TARTARUGA

Estava ansiosa para ver animais na estrada, a vontade era tanta que tive ilusões de ótica. Um pouco depois de Cuiabá vi o que jamais esperava ver atravessando a movimentada BR-364: uma tartaruga (ou um primo jabuti). A coisa foi tão rápida que não deu tempo para registrar a cena inusitada.

ELEIÇÕES 2010

Dilma chora. Vale tudo. (Foto Porta Vermelho)

PIMENTAS & CORES

- Mãe, o Zécarlos vai se acabar aí...
Essa é uma barraca típica do Mercado Central, cujo nome o leso não anotou. (Fotos JCarlos)

MINEIRO FALA ESQUISITO

Em Ituiutaba, enquanto aguardávamos nosso jantar, JP pôs reparo no dizer da garçonete, que falava um minerês típico da região, meio paulista, meio goiano. Quando a mulher se afastou, ele comentou:
- Mineiro fala esquisito...
Eu defendi a raça:
- Você viu o que tem aqui ao lado do restaurante?
- Não. O quê?
- Uma delegacia. Os hómi vão levar você para uma sala, com uma luz na sua cara e vão dizer assim: "Menino, foi você quem disse que mineiro fala esquisito?" E pá! uma porrada com o cassetete de madeira na mesa. "Foi você?" E outra porrada. E o JP, com as canelinhas tremendo, vai falar. "Não, moço. Mineiro fala bunitim, bunitim..."

PIPI STOP

Vi, nessa viagem, o porquê da angústia do Galvão Bueno nas corridas de F1, quando algum piloto, para quem ele está torcendo, pára nos boxes: Quando o cara volta à pista tem que fazer tudo de novo.
Assim acontecia quando o JP pedia para eu parar e ele fazer xixi. Aquelas carretas que levei "horas" para ultrapassar passam por mim e começa tudo de novo: acelera, espera o local adequado, olha prá frente, olha prá trás, acelera...

FRASE

"O Brasil está com saudades de Minas e isso você não tenha a menor dúvida". Vice presidente José Alencar, dizendo ao jornal O Tempo, de BH, que sairá candidato a presidente da República se a doença dele permitir.