28 de fev de 2012

FRASE


"O tempo tem hoje para mim o significado de uma estrada que não sei onde termina." Elifas Andreato, artista plástico e editor da revista Almanaque Brasil, na edição de fevereiro, quando ele completa 66 anos.

26 de fev de 2012

BAGUNÇA

Estou no aeroporto de Confins aguardando para o reembarque com destino a São Paulo. Elogiei a Trip, pois o check-in em Porto Velho foi rápido e fui bem atendido. A sorte acabou aí.
Sem ninguém dar satisfação, vimos as horas passarem e nada do avião chegar. Mais de duas horas atraso. Como meu compromisso é amanhã e eu conversava com o Ricardo Vieira de Sá, não esquentei a cabeça.
Finalmente embarcamos. Ao colocar minha mala no bagageiro, tropecei nos fios do fone que uma mulher usava e deixou pelo chão. Pedi desculpas, mas parece pela cara dela, que não fui perdoado.
Decolamos. Do lado direito da minha poltrona, um bebezinho alternava choro e riso, num volume incrível. Atrás de mim um menino de uns quatro anos cantava: "BorboleTINHA/Tá na coZINHA/Fazendo baGUNÇA...", dando ênfase nas sílabas finais. Depois ele "cantava": "Papai chegou, papai chegou..." E tome chute no encosto da poltrona que não reclinava. Era eu começar a cochilar e o menino se apoiava e balançava o encosto.
Em Confins, não haveria voos para todos e quem ia para Brasília teve que pernoitar aqui. A mãe do menino da borboleta perdeu a van e ficou rodada.
Eu, que ia para Congonhas, vou agora para Guarulhos. Ô raios

RODOVIÁRIA AÉREA

Aeroporto "Internacional" de Porto Velho, o cara da Passaredo, que faz vôo para Ji-Paraná, parou no meio da sala de embarque, bateu palmas para chamar a atenção e, aos gritos, informou:
- Passageiros da Passaredo, informo que em minutos iniciaremos o embarque. Estamos resolvendo um problema de documentação, assim que tiver resolvido os senhores embarcam. Mandamos os documentos por emeio e "eles" dizem que não receberam. Pela atenção obrigado.

CONSTRANGIMENTO

O repórter participa de uma entrevista coletiva importante. Senta-se ao lado do entrevistado portando gravador, caneta Bic e o celular - que deveria estar no silencioso, como recomenda o código de etiqueta. Enquanto a autoridade fala, o telefone do repórter começa a tocar uma musiquinha ridícula e como acontece nestes casos, o portador do aparelho não consegue silenciá-lo. Os risos foram gerais, inclusive do entrevistado, para constrangimento do repórter distraído.
O toque do celular era "Uh! Uh! Delícia, delícia, assim você me mata". Deveria matar mesmo.

THE MAYOR IS...

Na noite de hoje será feita a entrega do Oscar e a frase "the winner is..." já é repetida há muitos anos e as reticências servem para dar um frio na espinha dos concorrentes ao prêmio.
Guardadas as proporções, em outubro escolheremos o nosso prefeito, cargo que eu não queria ocupar por nenhum dinheiro do mundo, especialmente em Porto Velho, cidade que cresce espontaneamente, o povo não colabora e o serviço público deixa a desejar.
Em uma roda de jornalistas discutíamos isso. Na opinião de um, a ex-senadora Fátima Cleide entrará na discussão da prévia apenas para cumprir tabela, pois virá com a chancela do Planalto. Miguel de Souza é outro nome bom. Ficha Limpa e experiência no Legislativo e Executivo. Mário Sérgio, atual presidente da EMDUR (a empresa serve para quê mesmo?), é "filho da terra", jovem e nome novo, sem vícios. Os demais nomes lembrados tinham algum senão.
Mas quem decide não são quatro ou cinco jornalistas, daí, não adianta "futurar", como dizem os Manézinhos de Florianópolis.

25 de fev de 2012

DOMADOR DE PIPIRAS

Descobri ontem as principais fontes do Léo Ladeia para escrever a coluna 'devezenquantária' "Política & Murupi". Na casa do Léo tem um comedor para passarinho onde ele coloca bananas maduras. Enquanto eu estava lá, em menos de dois minutos apareceram quatro pipiras, sendo uma de bico branco (prima da minha informante) dois sanhaços e um sanhaçu. De vez enquanto aparece também um bem-ti-vi, que, segundo o Léo "espanta todo mundo, até as cabas..."

24 de fev de 2012

TAKIGAWA

Final de tarde de sexta-feira tranquila. Um longo papo com o amigo Léo Ladeia, conversa molhada com cafezinhos. Depois fomos visitar um local que eu só conhecia, literalmente, por alto. A antiga sede da empresa Takigawa, que é um revendedor de frango congelado. Fica no bairro Arigolândia, perto do Mirante 3, mas lá embaixo, quase no nível das águas do nervoso Rio Madeira. As fotos para marcar a estada. (Fotos JCarlos)
 Garagem
 Madeirão
 Hélice de alguma coisa
 Igreja (que esqueci o nome) da Arigolândia, com palafitas
 Madeirão com bananeiras
Porta com três maçanetas. Deve ser a casa dos Ursos, da estória dos Cachinhos Dourados

DIÁLOGOS INSÓLITOS

JP: - Zécarlô, tenho que participar de um seminário. E não sei o que é.
- Lugar onde se estuda para ser padre. (Foto Marcela Ximenes)

HEIN?

Como é que pode o futuro presidente da Comissão Processante, que ainda não foi instalada, e que irá investigar a Operação Termópilas no âmbito da Assembléia Legislativa, jurar amor eterno ao futuro investigado, o quase futuro ex-deputado Valter Araújo? Li no Rondoniaovivo.com (vale a pena ler os comentários dos internautas)

23 de fev de 2012

SUGESTÃO DE LEITURA

Pedi e recebi a edição 13 da Revista do Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte, que traz a biografia do professor Luís da Câmara Cascudo, que nos deixou um legado composto por 233 obras. O download da Revista completa pode ser feito aqui.
Banzeiros recomenda. (Foto Instituto Câmara Cascudo)

22 de fev de 2012

EMPURRANDO COM A BARRIGA

Funcionários da prefeitura varreram, amontoaram, mas não levaram. O que aconteceu? Vão ter que fazer tudo de novo. Espero que da próxima vez façam o serviço completo. (Foto: JCarlos)

20 de fev de 2012

GAMELEIRA CHORA

Em 2010, a reportagem do BANZEIROS esteve em Rio Branco e ficou maravilhada com a cidade, que em 10 anos se transformou. Infelizmente, desde a semana passada, nossos vizinhos acreanos estão passando momentos difíceis com a cheia do rio Acre. (Fotos: Sérgio Vale/Secom)

15 de fev de 2012

REGISTRO

Excerto da coluna Pimenta & Murupi, do Léo Ladeia, de hoje:
"05-Falando nisso...
Sabemos todos, governo, servidores e o contribuinte que não usufrui da previdência estatal que o sistema é um poço sem fundo. Para Zé de Nana “é um cara na bicicleta: se não pedalar cai”. É assim no governo federal e institutos de previdência como o Iperon. O rombo do Iperon diz recente estudo é de R$ 73 milhões e a solução envolve intricadas engenharias financeiras com ajuste fino. Um dos rombos está na diferença entre a contribuição que recebe da PM e o que paga como benefício. Outro diz respeito aos créditos a receber de órgãos do governo, inclusive - pasmem - do próprio Iperon. Cassol pode falar muito, mas no caso sabe o que fala."

NATUREZA (?) QUASE MORTA

A garça tenta sobreviver em meio ao lixo no igarapé do Bairro Nacional. (Foto JGomes)

ENFIM

Dia 26 de janeiro publiquei aqui a foto de um cidadão tapando buracos, próximo ao Mercado do Peixe, no Cai N'Água, jogando terra nas crateras.

Hoje tenho o prazer de mostrar serviço de vergonha no mesmo local.
 (Fotos JGomes)

SÓ CURIOSIDADE

A campanha da Secretaria de Saúde do Estado para o carnaval fala "Use camisinha, essa você conhece de outros carnavais". Primeira reação: "É preservativo usado ou reciclado?"
A nova campanha da Assembléia Legislativa: "Corrupção NÃO - Nós damos valor à honestidade". Sem comentários.

12 de fev de 2012

CANDEIAS


Amanhã é aniversário de Candeias do Jamari. Abraços aos amigos Nahim, Creila, Giuliano, Shyley, Afonso e Graça. A assessora de Imprensa, Shyley Saissem, envia o texto abaixo, que reproduzo apenas a parte relativa à história do município. (Foto Prefeitura de Candeias do Jamari)


Candeias do Jamari comemora 20 anos de criação
O município de Candeias do Jamari completa 20 anos de emancipação política nesta segunda-feira, 13. Localizado a 20 quilômetros do centro de Porto Velho, a capital de Rondônia, Candeias foi elevado à município pela Lei n.º 363, de 13 de fevereiro de 1992.
Histórico
Candeias do Jamari tem sua origem com a instalação de um distrito policial criado, pelo Ato n.º 2.213, de 14 de novembro de 1939. Na época, a região que depois passaria a pertencer à área territorial de Rondônia, pertencia ao município do Alto Madeira — estado do Mato Grosso — que tinha sede em Santo Antônio.
Localizado à margem direita do rio Candeias, o lugarejo servia de ponto de estacionamento de quem se dirija para os seringais do alto rio Candeias, bem como de depósito de borracha para quem desciam o rio.
Sua localização estratégica no ponto de cruzamento da rodovia Mato Grosso/Amazonas facilitava o transporte de mercadorias para Porto Velho ou para a região da cachoeira de Samuel, onde aportavam as gaiolas e as outras embarcações de menor porte vindos de Manaus e para onde retornavam."
No final da década de 1970, a comunidade começou a expandir o núcleo urbano, a agricultura, o comércio e o turismo que passam a ser suas principais atividades econômicas. Esse rápido desenvolvimento foi o principal fator que permitiu a criação do município, em fevereiro de 1992.

10 de fev de 2012

CENAS DA CIDADE

Este caminhão, de uma empresa de guinchos, trafegava leve e faceiro na BR-364, perto do trevo com a avenida Campo Sales. O lixo caía da carroceria, e como a cidade não tem lei, ninguém incomodou ao Sugismundo. A placa é legível, se alguém quiser ir atrás, o que duvido, tenho mais duas testemunhas. (Foto JCarlos)

TER AMIGOS É TUDO

A amiga Beth França foi a um show do Ney Matogrosso em Brasília e lembrou-se de mim quando ele cantou "Bicho de Sete Cabeças", música que fazia parte do meu repertório no gabinete.
Quando cheguei lá (no gabinete) era "proibido" ouvir música, falar alto e rir no horário de trabalho. Parecia um eterno velório (não o do Manelão, claro). Subverti tudo.
Ao receber o emeio da Beth dizendo da lembrança dela, também relembrei os bons momentos que passei em Brasília. Beth, Selminha, Eliete, Andrézão do Ceub, Eude, Alex, Geiza, Nei, Marciano e um monte de gente legal, deixaram saudades.
(Foto Correio de Uberlândia)

ENQUANTO ISSO...

Enquanto o viaduto não fica pronto, encontraram uma utilização para aquele elefante branco: suporte de out-door. (Foto JCarlos)

CENAS DO RIO MADEIRA

Surfando no banzeiro (Foto A. Correia/Imagem News)
Magrela abandonada (Foto JCarlos)

REFORÇANDO


Trabalhos para contenção do desbarrancamento no rio Madeira, a partir da UHE Santo Antônio no sentido da Candelária. (Foto A. Correia/Imagem News)

9 de fev de 2012

SINGELO

Enquanto as famílias se mobilizavam para a mudança de casa, esses aí não estão nem um pouco preocupados se vão cair do caminhão. (Foto: Jota Gomes)

EXEMPLO

A Pipira ouviu uma estranha conversa nos corredores da Assembléia Legislativa:
- Felizes são os deputados da Bahia. Com os grevistas ocupando o prédio, ninguém pode trabalhar. Será que a PM de Rondônia não vai aderir ao movimento? Precisamos de tempo para digerir a [Operação] Termópilas...
Fala sério.

IMPRUDÊNCIA

Agora, pela manhã, presenciei dois acidentes, com pouca gravidade, mas, em ambos, a presença da imprudência. Na avenida Mamoré com Sete de Setembro duas motos se chocaram. Quem entrava na Mamoré não obedeceu a lei da preferência.
Na rótula da Avenida Guaporé com Migrantes, um ciclista bateu na traseira (é, ele conseguiu) de outro que espera a vez de avançar.

8 de fev de 2012

CAOS ANUNCIADO

A recusa do deputado Marco Maia, presidente da Câmara dos Deputados, em colocar em pauta a PEC 300, que cria o piso salarial nacional para os policiais, pode se tornar um rastilho de pólvora, desencadeando uma onde de greves como a da Bahia. O governo federal avalia que há seis estados onde greves de policiais podem ocorrer nos próximos dias, antes do carnaval.

MEU IAIÁ, MEU IOIÔ

Morreu o Wando. Não tenho motivos para lamentar, pois não era fã do cantor, apesar de saber "Fogo e Paixão" de cor. É como a Mar falou, quando informei a ela do falecimento: "É estranho saber que morreu alguém que você 'conhece' desde criança".
É assim mesmo.

7 de fev de 2012

DO ALÉM

Numa entrevista feita pelo amigo Léo Ladeia, pensei ter ouvido ele citando a finada atriz Derci Gonçalves, como a pessoa que seria convidada para inaugurar o teatro de Porto Velho. Não tendo encontrado com ele, fiquei com a dúvida quicando na minha cabeça.
Hoje fui ao Câmera 11 a serviço, aproveitei e perguntei ao Léo se eu tinha ouvido corretamente. A resposta:
- É isso mesmo, véio. O teatro demorou tanto que a Derci morreu e as obras não foram concluídas.
A minha sugestão é que se convide o arquiteto Oscar Niemeyer...

CENAS DA CIDADE

Por onde se anda na cidade, é comum ver cenas como esta. (Foto JCarlos)

PORCÃO (PERDÃO, LEITORES)

 Peguei um taxi em que o motorista palitava os dentes e fazia sons de sucção ao mesmo tempo. Eu já ia sugerir que ele fizesse uma escovação, mas a coisa piorou. O taxista espirrou e limpou o nariz na camisa. Eca.

VACA PROFANA OU SAGRADA?

Obrigado Figueiredo.

6 de fev de 2012

IMPACTO DIFUSO

Quem não quer ser atingido pelasuzina, que atire o primeiro bloco de concreto. Desde antes do início das construções, ainda na fase de estudos, pessoas faziam de tudo para arrancar "algum" do tal consórcio. Era gente que "torcia" o pé em um buraco sinalizado de sondagem; era quem dizia que o pessoal da topografia havia espantado as galinhas e elas não botavam ovos mais e outras armações.
Depois do início das obras, as detonações causaram até tsunami no Japão. "Adevogados" e'x'pertos sugeriram ações indenizatórias por rachaduras em casas construídas em Candeias.
Prefeitos de cidades como Humaitá e Lábrea pediram indenizações por que os desempregados destes municípios vieram trabalhar em Porto Velho.
Na vila de Teotônio, uma mulher que havia se mudado de lá há muitos anos, retornou e invadiu a antiga sede da associação de moradores, exigindo uma casa para a família dela.
No recente episódio (da substituição do poder público) na retirada de pessoas de área de risco, levando-as provisoriamente para hotéis, mais um caso inusitado. Uma mulher chegou até a equipe e disse ser a dona da casa que foi desocupada e que quem morava nela era um inquilino - que foi transladado para o hotel - e que era ela, a proprietária, é quem deveria ser hospedada no hotel.

'PRACAS'















Obrigado Nivaldo.

4 de fev de 2012

VIROU BAGUNÇA

O saite Congresso em Foco publicou nota informando que a banda marcial do regimento de Cavalaria de Guarda da Presidência da República, tocou "Ai, se eu te pego", no deslocamento da tropa, após a troca da guarda. Dizem que sempre tocam músicas civis e militares em eventos.
Lembrei-me de meu tempo de quartel. Deslocávamos do hasteamento da bandeira para o corpo da guarda e o corneteiro - pistonista de gafieira nas horas vagas - resolveu tocar o hino do Flamengo em ritmo marcial. Pegou quatro dias de cadeia para aprender a não tocar música ruim.

3 de fev de 2012

NÃO PARO NO AMARELO

Quando estou longe do semáforo e a luz amarela acende, reduzo a velocidade e paro o carro. Só avanço o sinal se quem vem atrás está com muita velocidade ou quando o sinal muda de cor eu estando embaixo dele.
Ontem, procedi da mesma forma. Reduzi a velocidade e parei. Um miserável que vinha atrás desviou do meu carro, avançou o sinal vermelho e ainda xingou minha mãe, que nem dirige.
Eu, hein?

1 de fev de 2012

COISAS QUE SÓ ACONTECEM COMIGO

Vou ao banco no horário do almoço para não prejudicar o meu trabalho. Pego a senha e aguardo a chamada. O aparelho que mostra os números está com defeito e duas mulheres "forçam" o atendimento. Espero, espero e espero. A gerente da minha conta, depois de atender as mulheres, desaparece. Dois atendentes ficam desocupados e me dirijo a um deles.
- Sou o próximo...
Ele aponta para trás, sem olhar, querendo dizer "espere ser chamado".
Soltei um sonoro "*orra!", foi quando o cara viu que o aparelho estava encrencado e não havia mais pessoas, além de mim, para serem atendidos.
Mandou-me sentar e perguntou o que eu desejava. Pedi a segunda via do cartão. Enquanto digitava a minha solicitação, eu disse que queria, se possível, um calendário de mesa. O cara parou o que estava fazendo, se levantou e ficou mais de 15 minutos "procurando" a bendita folhinha.

DIA DO PUBLICITÁRIO

Parabéns e obrigado, Edwaldo.

UMA CIDADE QUE ACABA

Rua Tenreiro Aranha, entre Jacy-Paraná e Almirante Barroso (Foto Tasso Rossi)

 Avenida Sete de Setembro com rua Bandeirantes (Foto JCarlos)
Rua Idalva Fraga Moreira com avenida Sete de Setembro (Foto JCarlos)

POBRE UNIR

Além dos problemas que todos já conhecemos, a Universidade Federal de Rondônia enfrenta problemas para administra os campi. Aqui, em Porto Velho, por exemplo, o lixo é depositado em uma clareira aberta na mata. (Foto JCarlos)