29 de mai de 2015

UM (BOM) TEMA DESPERDIÇADO

O convite prometia uma manhã de discussões sobre o sistema elétrico em Rondônia, falar sobre tarifas, qualidade da energia, problemas e soluções para a distribuição e a continuidade do Programa "Luz para Todos" para as famílias do interior. Todo mundo acreditou.

Compareceram os deputados federais Expedito Netto (SD/RO) e Carlos Andrade (PHS/RR); o presidente da ALE, Maurão de Carvalho e os deputado Alex Redano (SD) e Aélcio da TV (PP). Também vieram a Porto Velho os prefeitos de Guajará-Mirim e Cerejeiras; vereadores de Ouro Preto do Oeste, Alto Alegre, Buritis, Itapuã do Oeste, Candeias do Jamari, Nova Mamoré e Cujubim.

O gerente financeiro da 'Ceron' - Eletrobras Distribuidora Rondônia -, Júlio César Lopes Ferreira, mostrou como o valor da tarifa de energia elétrica era formada. É uma conta complicada, mas dá para entender - se quiser - o porquê da conta de luz alta. Júlio também falou das metas estabelecidas para a energia rural pela Aneel e o orçamento insuficiente para o cumprimento destes objetivos impostos.

Os prefeitos e vereadores queriam saber como resolver isso; mas falar em energia elétrica sem culpar asuzina, não tem graça. O pastor Rosan Rodrigues (Movimento dos Atingidos pela Enchente) e o engenheiro Jorge Silva (Senge) se encarregaram de redirecionar as discussões rio acima.

O resultado da audiência pública foi, para mim, nenhum. Para os prefeitos e vereadores que vieram do interior 'prestigiar' o deputado Expedito Netto, cumpriram o que estava combinado. Quanto a baixar tarifa, garantir a continuidade do programa "Luz para Todos", nada.

Um tema e muito tempo desperdiçados. Não vou falar nada sobre a quantidade de gente que trabalhou para que essa 'miragem' continuasse assim. Nada.

A partir da esquerda, deputado federal Expedito Netto, com o Lenilson Guedes ao ouvido; deputados estaduais Maurão Carvalho e Alex Rodano (a funcionária não consegui o nome)

Para calcular a conta de luz, é simples

Então, "audiência pública"
(Fotos JCarlos)

IRRESPONSABILIDADE

No "Bom Dia Brasil" de hoje assisti uma matéria sobre o transporte escolar no interior de Sergipe. Mostraram muitos problemas, mas destaco um, que talvez seja o mais preocupante. Em determinada cidade, o motorista do ônibus escolar é habilitado... mas para dirigir carro de passeio ou moto!

(Reprodução G1)
Matéria aqui.

RÉQUIEM ÁS EMPRESAS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PORTO VELHO

Reproduzo a despedida da cunhada Amanda X. às empresas de transporte coletivo de Porto Velho. Apesar de não utilizar há algum tempo este tipo de transporte, vejo e recebo diariamente  relatos de abusos de todos os tipos - do desrespeito ao passageiro embarcado ao desrespeito aos outros motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres nas ruas e avenidas da cidade.


Como diz a Amanda, já vão tarde! (Reprodução postagem perfil da Amanda/Facebook)

27 de mai de 2015

HEIN?

Ainda abalado com a notícia da morte do Sérgio Mello, fiquei lendo as mensagens de pesar emitidas por amigos, autoridades e entidades. Por hábito profissional e ranzinzice pessoal foi impossível não notar que alguns textos começam na terceira pessoa, passam para a primeira e voltam, no final, para a terceira novamente. Outros fazem uma salada de colagens e ficam sem sentido. Mas a mensagem que achei mais estranha foi a do Sebrae:


PESAR

"Ando devagar por que já tive pressa", esse poderia ser o epitáfio a ser colocado na lápide do amigo Sérgio Mello, que foi embora hoje. Mas a frase não condiz com a realidade. Sérgio era a própria calma. Era preciso uma coisa muito grande para abalar a sua tranquilidade e nem sei se isso aconteceu alguma vez.

Nos conhecemos em 1986, quando eu estava no Decom e ele na TV Nacional. Pouco depois o Sérgio foi indicado para substituir a Ruth Morimoto na direção da Comunicação e passei a trabalhar com ele. Foram poucos meses pois logo saiu para ser o locutor oficial do PMDB na campanha para o governo, em que o Jerônimo Santana venceu. Eu o substituí e ao final da campanha devolvi o cargo e fui para a TV Educativa.

(Arquivo JCarlos)

Depois nos reencontramos na Fiero, participamos da segunda "Caravana da Integração" e sempre mantínhamos contato. Tive a honra de ser um dos entrevistados do programa "Papo News" e também participar de alguns "Papo de Redação" no rádio e na TV.

Fica uma grande e profunda saudade.

UMA COISA EXPLICA A OUTRA

(Foto JCarlos/Arquivo)

1 - "Rondônia ocupa 9ª posição no ranking de mortes por acidentes de motocicletas"

2 - "Somente no ano passado, o Samu realizou 18.900 atendimentos. A média atual de ocorrências é de 1.200 ao mês"

3 - "No IML falta material para fazer exame nos corpos"

CENAS DAS CIDADES

Cow Parede no Rondônia Rural Show. No caso, "parada" mesmo
(Via WathsApp)

Esta é uma pequena parte de um comboio que devia levar o "rei do crime" para algum lugar em Porto Velho (Fórum?). Além do furgão na frente, mais oito viaturas participavam do cortejo, com sirenes ligadas e em alta velocidade (Foto JCarlos)

Em Porto Velho é comum as pessoas retirarem os calçados para entrar nas casas.
Aqui, a repórter porto-velhense o fez para entrar em um avião

Bastidores
  'Pracas'


Obrigado, Léo Ladeia.

CASSOL RIDES AGAIN

Ressurreição, eu acredito... 
(Fotos perfil Governo/Facebook)

VIROU BAGUNÇA

No filme "Madagascar II", o leão Alex volta para a natureza, mas não sabe os costumes locais e apanha de outro macho na disputa de quem seria o chefe do grupo.

Alex dança e Makunga se prepara para dar uma peia nele

Pensei nisso ao ver o que a Imprensa internacional fez com este outro leão. Desmoralização:

Rei da floresta? Leão escala árvore para fugir de búfalos
Imagens raras foram tiradas no parque de reserva de Maasai Mara, no Quênia


É uma esculhambação!

25 de mai de 2015

AINDA SOBRE RONDON

Sugiro a leitura do artigo "Estação ou posto telegráfico de Rondon, hoje Museu das Comunicações 'Cândido Mariano da Silva Rondon'", da professora Yêdda Borzacov, sobre o episódio de "salvamento" do atual Museu das Comunicações, em Ji-Paraná, a que me referi no comentário anterior, e que estava condenado à demolição pelo então prefeito de Ji-Paraná, Roberto "Jotão" e foi salvo pela sensibilidade do presidente do Beron, Paulo Saldanha.


A ironia da foto que ilustra o artigo é a presença do prefeito Jotão na inauguração do prédio que ele queria botar abaixo. (Foto reprodução Gente de Opinião)

CAFÉ COM RONDON

Fui participar sexta-feira do "Café com História", um evento do Colégio Objetivo/Faculdade Porto e fiquei impressionado. O auditório super-lotado em uma noite de sexta-feira, alunos da própria instituição e de outros colégios. Os alunos do João Bento estavam em peso.

Mas o melhor foi ouvir dos convidados as suas impressões sobre o tema de tudo: Marechal Rondon. Sem óculos (eu os esqueci no carro), não fiquei tuitando e, portanto, a atenção foi integral para as falas.

Os professores Yêdda Borzacov e Aleks Palitot abordaram o tema de formas diferentes. Yêdda, contando como foi salvo o posto telegráfico de Ji-Paraná, que seria demolido para a construção de uma praça. A salvação veio do dr. Paulo Saldanha, então presidente do Beron, que instalou ali uma agência, dividindo o espaço com o museu.

(Fotos JCarlos)

O professor Alex Palitot fez a aproximação de Rondon com os dias atuais, mostrando o militar que tinha o Brasil e as missões que recebia como Norte. Que políticos, que ganham para isso, têm essa mesma ideologia, pergunto?
No sentido horário: A professora Yedda; auditório lotado; e o 
professor Ricardo Nakai, diretor acadêmico da Faculdade Porto 
(Fotos Felipe Araújo/AI Grupo Pellúcio)

Também ouvimos o jornalista Domingues Junior, mediador da primeira parte do evento, contando a viagem que fez em um teco-teco de Ariquemes para Porto Velho, sobrevoando a floresta e a BR-364, imaginando as dificuldades que a Comissão Rondon teve naquela época.

O museólogo Antônio Ocampo e o jornalista Júlio Olivar também abordaram aspectos diferentes. Ocampo sugere que Rondon era "rondoniense", já que ao nascer, o local geográfico onde se situa o estado e Rondônia e o Mato Grosso eram uma coisa só. Olivar, por sua vez, falou dos esforço para preservar o posto telegráfico de Vilhena, sobre o qual escreveu a sua primeira matéria jornalística em Rondônia.

Resumindo. Um senhor evento. Não fiquei para assistir as aulas propriamente ditas, que seriam ministradas pelos professores com foco no Enem. Mas, o muito de que participei valeu a pena.

24 de mai de 2015

MOBILIZAÇÃO PARA EVENTOS

Quem trabalha com eventos tem sempre em mente o pesadelo de descobrir como o público será atraído. Há inaugurações, assinaturas de ordens de serviço, lançamento de pedras fundamentais e muito mais, além de eventuais palestras e prestações de contas. É uma tarefa difícil você fazer as pessoas deixar afazeres e o "conforto do seu lar", ou mesmo o lazer, para ir participar de algo. Já tive a experiência de coordenar evento em um feriado ou o lançamento de uma obra em plena terça-feira, 9 horas da manhã...

Fiquei pensando isso ao ver algumas fotos que recebi pela internet e que datam do final dos ano 1930, numa Alemanha saída de um caos total depois da derrota da 1ª Guerra Mundial e da recessão mundial pós-quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. Como os nazistas faziam isso e quanto teria custado?

Abaixo, duas fotos destes eventos-fenômeno, que afinal levaram a Alemanha a outra guerra e a outra derrota. Mas eles se levantaram.
As demais fotos estão aqui.


(Via Latest Trickz)

PESAR

Lamento profundamente a morte do professor Luiz Gouveia, o Luizão. Lembro dele muito ativo, sempre em busca de apoio para os esportes e para as fanfarras escolares nos colégios em que trabalhava. Aqui entrevista ao Sílvio Santos, no Gente de Opinião.

Ficam na memória dois fatos específicos e diretamente comigo: quando foi baleado em circunstâncias que não vêm ao caso, fui intermediário para conseguir passagens para enviá-lo para tratamento no Hospital Sarah Kubitschek, em Brasília. Lúcio Albuquerque era o chefe do Decom e foi ao governador Osvaldo Piana.

A segunda, mais pessoal, o professor Luizão era vice-diretor da Escola João Bento e eu o encontrei em algum evento e conversamos sobre um dos meus filhos que estava mal em uma escola particular. Ele disse: "Leva ele lá e vamos conversar". A criatura foi para o JB, voltou a estudar e recuperou as notas que eram vermelhas, com um acompanhamento do Luizão.

E por falar em "João Bento", eu acho que a escola se tornou referência na preparação de alunos pobres para o vestibular desde a época dele por lá.

Neste momento quero enviar o meu abraço aos familiares em nome do jornalista Bosco Gouveia, esperando que Deus console a todos.

PENSANDO O QUÊ?

Eu sou o 2.352.410º seguidor do presidente Barack Obama no Tuíter. Sabe o que significa isso?

Absolutamente nada!

BASTIDORES

Todo mundo se lembra deste "frame" do filme "O pecado mora ao lado", com a Marilyn Monroe que estava no auge da meteórica carreira. Lembra-se dela mesmo quem não assistiu ao filme.

(Divulgação Twentieth Century Fox)

Olhem como foi a foto para a divulgação do filme com a Imprensa apache:

(History in Pictures)

DIÁLOGOS INSÓLITOS

Sou cliente da Cooptaxi desde a criação da cooperativa há 15 anos e de vez enquanto alguma atendente provoca minha (im)paciência, para ver se é folclore. Fui de carona ao salão em que corto os cabelos e depois liguei pedindo um táxi.
- Cooptaxi, Fulana, bom dia.
- Bom dia, por favor preciso de um táxi na rua AAA, número 000, esquina com BBB.
- Mas este endereço não está cadastrado, senhor. Tenho no cadastro do senhor na rua CCC, número 0101...
- Sim, é o meu endereço residencial. Mas eu só posso pedir táxi da minha casa?
- ...
- Se eu estiver fora de casa, não posso pedir táxi?
- Calma, senhor, já estou mandando um carro. É só esperar...