25 de mai de 2015

CAFÉ COM RONDON

Fui participar sexta-feira do "Café com História", um evento do Colégio Objetivo/Faculdade Porto e fiquei impressionado. O auditório super-lotado em uma noite de sexta-feira, alunos da própria instituição e de outros colégios. Os alunos do João Bento estavam em peso.

Mas o melhor foi ouvir dos convidados as suas impressões sobre o tema de tudo: Marechal Rondon. Sem óculos (eu os esqueci no carro), não fiquei tuitando e, portanto, a atenção foi integral para as falas.

Os professores Yêdda Borzacov e Aleks Palitot abordaram o tema de formas diferentes. Yêdda, contando como foi salvo o posto telegráfico de Ji-Paraná, que seria demolido para a construção de uma praça. A salvação veio do dr. Paulo Saldanha, então presidente do Beron, que instalou ali uma agência, dividindo o espaço com o museu.

(Fotos JCarlos)

O professor Alex Palitot fez a aproximação de Rondon com os dias atuais, mostrando o militar que tinha o Brasil e as missões que recebia como Norte. Que políticos, que ganham para isso, têm essa mesma ideologia, pergunto?
No sentido horário: A professora Yedda; auditório lotado; e o 
professor Ricardo Nakai, diretor acadêmico da Faculdade Porto 
(Fotos Felipe Araújo/AI Grupo Pellúcio)

Também ouvimos o jornalista Domingues Junior, mediador da primeira parte do evento, contando a viagem que fez em um teco-teco de Ariquemes para Porto Velho, sobrevoando a floresta e a BR-364, imaginando as dificuldades que a Comissão Rondon teve naquela época.

O museólogo Antônio Ocampo e o jornalista Júlio Olivar também abordaram aspectos diferentes. Ocampo sugere que Rondon era "rondoniense", já que ao nascer, o local geográfico onde se situa o estado e Rondônia e o Mato Grosso eram uma coisa só. Olivar, por sua vez, falou dos esforço para preservar o posto telegráfico de Vilhena, sobre o qual escreveu a sua primeira matéria jornalística em Rondônia.

Resumindo. Um senhor evento. Não fiquei para assistir as aulas propriamente ditas, que seriam ministradas pelos professores com foco no Enem. Mas, o muito de que participei valeu a pena.

Nenhum comentário: