20 de dez de 2014

SUGESTÃO DE LEITURA

Reproduzo abaixo o texto lúcido e verdadeiro do amigo Flávio Mendonça, sobre a conjuntura atual, que está sendo oxigenada pela inércia:

"A simples teimosia da Dilma em não trocar todas as diretorias do grupo Petrobrás mostra que ela não terá nenhuma condição (competência, então, nem pensar) para administrar a crise que vem aí.

Podem escrever: TODAS as empreiteiras citadas vão falir nos próximos meses. E vamos descobrir que as famílias que as criaram e desenvolveram não são mais as principais acionistas. Os principais acionistas somos NÓS, através do BNDES, dos fundos de pensão e de outros mecanismos similares.

Vamos descobrir que os lucros monumentais provenientes dos desfalques que vêm sendo orquestrados há tantos anos foram canalisados para um monte de empresas menores, subempreiteiras ou sub-subempreiteiras ou consultoras (como a do Dr. Dirceu). E as trilhas destes lucros já foram devidamente apagadas, com o melhor juridiquês. É claro que os verdadeiros "cappos" já sabem há muito tempo que, um dia, a corrente milionária seria estourada. E se preveniram direitinho!

E vejam bem, não estamos falando só de Petrobras, é claro. As mesmas "empreiteiras" são "donas" de todo o mercado de concessão das estradas e de boa parte das concessões dos aeroportos e portos. E dominam, também, a telefonia (mercado em que o "toque de Midas" destes gestores já provocou a derrocada da PT, de Portugal, associada à Oi).

A podridão e o buraco são e serão muito maiores do que imaginam hoje os piores pessimistas.
É o preço que vamos pagar pela complacência da Imprensa e das Instituições que deveriam ser nossos olhos. Quem tinha olhos via, quem tinha ouvidos sabia. Basta perguntar a qualquer um de nossos colegas de colégio ou de faculdade, que tenha trabalhado e sofrido todos estes anos dentro do mercado dependente do Estado. Mas quem deveria e poderia ter gritado ou agido optou por deixar este "encargo" para outros, ou para depois.

E depois de "gemer e chorar neste vale de lágrimas", o Brasil vai se erguer, aos trancos e barrancos, pelo simples fato de que é o país do mundo que, com uma imensa proporção de riquezas potenciais por habitante, conta, ainda, com um potencial mercado consumidor interno de 200 milhões de habitantes. Um dos poucos países do mundo que, hoje em dia, poderia progredir imensamente só contando com a produção e consumo internos. (Vejam que EUA, China, Europa, Índia e quase toda a África implodiriam se seus habitantes aumentassem violentamente o consumo - todos tratam de aumentar o consumo de seus "fregueses" externos.) E é só este fato que permite que ainda tenhamos as reservas monetárias que temos, apesar de estarmos sendo roubados em pelo menos metade do PIB, que é o que tem sido transferido todo ano para os cofres e patrimônio de uma meia dúzia."
Teresópolis, 18 de dezembro se 2014 (Via Facebook/Flavio Sertã Mendonça Furtado)

Nenhum comentário: