6 de abr de 2015

PÚBLICO 'ESPECIAL'

Como estava contando antes, durante minha permanência na Policlínica Ana Adelaide na manhã de domingo, tive que tomar um remédio misturado ao soro, aplicado na veia. Fiquei na enfermaria um tempão, sendo medicado, observando e respondendo eventuais perguntas.

Não havia 'garrote' (aquela borracha para fazer o torniquete e achar a veia) e usavam uma luva descartável para isso.

A enfermeira disse que naquele dia (5), o movimento estava atípico, com muita gente procurando o atendimento médico. Enquanto aguardava, contei quatro casos de dengue, três de diabetes, um de mordida de cachorro e outros três com dores genéricas. Perguntei se o movimento maior era na segunda-feira. Ela confirmou e explicou: "A maioria vem buscar atestado".

Ah, bom.

2 comentários:

jay alba disse...

olá sei que faz tempo essa postagem, mas gostaria de esclarecer algo sou acadêmico de enfermagem, nunca fui na policlínica não sei se o atendimento deles é bom ou não e muito menos quero proteger alguém, mas o fato de usarem luvas para garotear teu braço não é por falta de recurso e sim por proibição dos órgãos fiscalizadores, eles alegam que pelo garoteador não ser estéril e não se poder fazer a assepsia dele ele poderia transmitir doenças.

José Carlos Sá Junior disse...

Agradeço a informação. Os laboratórios onde costumeiramente faço exames usam um garrote de uma espécie de tecido.